Reflexões

MAIS BELO COM O TEMPO

A gente passa pela vida dessas pessoinhas e nem sempre tem a chance de vê-las crescer. De repente a gente topa com um ou outra e se surpreende com os caminhos tomados, com as feições adquiridas e com os conhecimentos embarcados.

Professores são pais e mães até a segunda página. As rotinas escolares e as leis impõem “salutar” afastamento e as relações com os estudantes e família praticamente seguem um protocolo.
Educadores mesmo, aqueles com a centelha da maternidade instantânea, assumem quase sem querer um papel nesse filme que é a história de seus pupilos e pupilas.

Com essas meninas a história é linda, e espero que o filme nunca acabe. Desde nossas primeiras aulas, aos 14 anos, essas fofuras criaram uma marca para nossa convivência curtíssima de cada semana em sala de aula. Eram as minhas estrelinhas 🌟!

Atentas à aula de Física mesmo sem gostar da matéria, me deram força e alegria o ano rodo. Na virada, como sempre, o fluxo industrial inevitável da escola move as turmas para frente e de repente não tinhamos mais nossos 50 minutos semanais de convivência regimentar.

Mesmo assim eu recebi visitas animadíssimas para um abraço O ANO TODO. Encontramos na praça para patinar, na rua por aí ou na nossa tradicional patinada no gelo de todos os anos. De alguma forma os protocolos se quebraram e não deixamos que a convivência sucumbisse ao cronômetro escolar.

Hoje, vendo elas crescerem, cursarem a faculdade e tirando carteira, me emociono e reforço a minha convicção de que o que importa é o mais simples.

Se eu tivesse apenas seguido com minhas aulas de Física, sem todo o pulso de vida que sempre movi em todas as minhas relações, provavelmente estaria vendo essa obra coletiva que é a história e consciência de cada uma sem sequer um tijolo do meu barro.

Ao invés disso, porque sempre fomos muito mais que Física e diário escolar, vejo essas jovens mulheres levando algo de mim para além da minha passagem aqui na Terra – assim como eu trago delas, e torço para que assim tenha sido com tantos quanto tenha tocado.

Nas palavras de Einstein aos formandos professores:

“vocês [professores] recebem uma herança, respeitam-na, aumentam-na e, mais tarde, irão transmiti-la à descendência. Desse modo, somos imortais porque criamos obras que nos sobrevivem”.

Albert Einstein

Que sejamos sempre firmes no trabalho de imortalizar, lembrando sempre de nunca deixar morrer o essencial, que é invisível.

Processed with VSCO with 7 preset

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *